HOQUEI EM PATINS EM MUTAÇÃO

22 06 2009

7

UMA NOVA ERA SE AVIZINHA

Depois de uma época relativamente calma sem grandes convulsões, sem grandes surpresas, mas com aspectos tremendamente positivos como foram as extraordinárias prestações das selecções nacionais, já que Portugal voltou a vestir a pele do sempre favorito, recuperando prestígio através da qualidade do trabalho desenvolvido, mas também dos resultados apresentados, já que em termos de formação Portugal ganhou tudo, o que é inédito, sub 17, sub 20 e sub 23, foram campeões da Europa e vencedores da Taça Latina, respectivamente, seniores foram vice campeões da Europa em Oviedo, colocando a Espanha em sentido, recordamos que Portugal perdeu 1-0 na final, mas não foi inferior em nada á selecção Espanhola que até jogava em casa com tudo e todos a seu favor como acabou por se reflectir depois na final, também em seniores femeninos, a selecção portuguesa disputou a final do campeonato do Mundo no Japão com as espanholas, sagrando-se vice campeã do Mundo, algo que já não acontecia á nove anos, em contra-partida em sub 19 femininos a Federação de patinagem cancelou a participação portuguesa no campeonato da Europa desse escalão, alegando dificuldades financeiras, não permitindo a continuidade de um trabalho a ser feito na base, e que em termos de futuro poderia ter sido muito importante na experiencia acumulada para futuras participações, até porque não é compreensível que as selecções cancelem as suas participações por falta de dinheiro ou que não se preparem convenientemente, já que supostamente tudo é orçamentado e suportado pelo Instituto do desporto de Portugal. Mas a realidade é que esta nuvem não chegou para ensombrar o trabalho desenvolvido ao nível da direcção técnica nacional e pelos técnicos nacionais, estando aqui em justo destaque o prof. Luís Sénica, director técnico nacional e coordenador de todas as selecções, em equipa com o prof. Jorge Lopes e Rafael Oliveira e ainda com Nuno Ferrão, Paulo Tina e João Calado que coadjuvaram os técnicos principais, num trabalho que nunca é demais saudar e que veio assim aumentar as expectativas e a responsabilidade na manutenção e continuidade do trabalho desenvolvido, cabendo á FPP, proporcionar as devidas condições para que tal como os nossos rivais as nossas selecções tenham tempo e condições para se prepararem convenientemente.

Ao nível de clubes e cá pelo nosso burgo, o Porto voltou a dominar fazendo outra dobradinha, já no plano Internacional a desilusão tem vestido de azul e branco, a Juventude de Viana a equipa mais bem apetrechada da 1ª divisão desta feita conseguiu estar na final embora na hora da verdade não tenha chegado para o Porto, mas por outro lado na taça de Portugal nem sequer esteve na final a 4, o que se diga de passagem não abona nada em favor dos minhotos, pois uma equipa com planteis tão valiosos como tem apresentado nos últimos anos, tinha obrigação de muito mais e de facto tem mesmo vindo a ser a grande desilusão ano após ano, embora desta feita tenham chegado á final, outra desilusão voltou a ser o Benfica em mais um ano para esquecer. Destaque ainda para a Oliveirense, que sob o comando do eterno Tó Neves, continua no topo do hóquei luso e fruto de uma boa campanha europeia acabou por estar na final a 4 da Taça Cers, o Oquei de Barcelos, longe dos seus tempos áureos, sofreu enormes convulsões, mas está aí mais jovem do que nunca, com uma formação que está representada em todas as finais a 4 de infantis a juniores e á data já conquistou o título de juniores, realce com toda a justiça para o trabalho desenvolvido por Victor Silva, mantendo por isso o Barcelos na rota do futuro, na 2ª Divisão, Física de Torres Vedras (campeã nacional), Académica de Espinho e Paço d’ Arcos estão de regresso ao escalão principal, por troca com, CD Nortecoope que desistiu, Carvalhos e Hóquei de Cambra, enquanto que na 3ª divisão, o BIR (campeão nacional), juntamente com Académica de Coimbra, Penafiel, Beja, Fundação Nortecoope e Stella Maris, subiram á 2ª por troca com Escola L. de Azeméis, Bom Sucesso e Mealhada (que tanto em seniores como em juniores foram orientados por Vasco Vaz e que foram o grande flop da época), UF Entroncamento, Estremoz e Vilafranquense que também desistiu.

Em Femininos a história repetiu-se com a Fundação a ser superior e a revalidar o título nacional (tetra), onde o GD Boliqueime sobressaiu ao tornar-se vice campeão e onde Mealhada e CD Nortecoope voltaram a desiludir, a grande revelação da prova foi sem duvida a jovem equipa dos Lobinhos, que se dividiram entre seniores e juniores onde são favoritas juntamente com a Sanjoanense na disputa do 1º campeonato nacional deste escalão que vai ter final a 4 em Alverca nos dias 4 e 5 de Julho, lembramos que em termos de finais a 4 se vão realizar:

  • JUVENIS – Mealhada, Pavilhão do Hóquei Clube da Mealhada (3,4 e 5 de Julho)
  • INICIADOS – Aljustrel, Pavilhão Municipal Armindo Peneque (10, 11 e 12 de Julho)
  • INFANTIS – Alenquer, Pavilhão Municipal de Alenquer (26,27 e 28 de Junho)
  • SÉNIORES FEMININOS – TAÇA DE PORTUGAL – Turquel, Pavilhão do Hoquei Clube de Turquel (27 e 28 de Junho)
  • JUNIORES FEMININOS – AP. DE CAMPEÃO – Alverca, Pavilhão Municipal de Alverca (4 e 5 de Julho).

Se em resumo tudo se passou assim, mais sobressalto, menos sobressalto no reino do hóquei, mais aspectos a focar haveria concerteza, mas serviu-nos este preambulo para entrar numa nova era em termos da intervenção no nosso blogue, pois a nossa intervenção mais do que dar notícias passará no futuro por aspectos onde a opinião sobre determinados temas irá ter a grande relevância, tentaremos assim dar um contributo diferente, já que de notícias estamos bem servidos, os sítios do CLUBE UNIÃO MICAELENSE e o MUNDO OK, fazem-no muitíssimo bem. Mas se no passado também estivemos onde estava a notícia, limitados pela impossibilidade de dispor de tempo, tivemos de parar, entrando assim numa outra realidade que será também mais fácil para nós, pois não nos será solicitado tanto tempo, embora estando sempre atentos e prometendo aqui tratar cada assunto, mesmo de opiniões se tratando, de uma forma séria e rigorosa, entrando em cada tema escolhido, com artigos de nossa opinião ou de quem queira dar o seu contributo de uma forma séria, onde os conteúdos sejam o que mais interessa, independentemente de quem os escreve, não nos importando a nós quem o faça, desde que dentro das regras da boa educação e sem ofensas de qualquer tipo, cabendo-nos a nós escolher e seleccionar tudo o que nos chegue através do nosso endereço electrónico, que consta na pagina inicial.

Assim e por este motivo escolhemos iniciar a nossa reentrada com um artigo que nos foi enviado e que pela sua pertinência e actualidade, achamos por bem, por aqui começar, até porque se trata realmente de ENTRAR NUMA NOVA ERA, NUM NOVO TEMPO.





OS TREINADORES E O NOVO REGIME

22 06 2009

images

QUE VAMOS TER? REGRAS E ORGANIZAÇÃO? OU O REGRESSO AO COMPADRIO E ÁS EXCEPÇÕES?

Quando já tudo fervilha em relação à próxima época, quando a maioria dos clubes já se prepara para fechar plantéis, para que possam ir de férias com todas as decisões tomadas, quando os jogadores na sua maioria já estão escolhidos e os treinadores prontos a iniciar os seus novos planos ou a dar continuidade aos mesmos, eis que nos deparamos com uma série de alterações, nomeadamente as novas regras, assim como o novo regime para os treinadores, é que também a partir da próxima época entram em vigor os regulamentos que determinam que para treinar equipas na divisão principal (a 1ª Divisão Nacional), os treinadores tem de possuir o nível 3 de formação. Até aqui tudo bem, tudo correcto e convenhamos que esta medida já peca por tardia, mas ao abrigo das desculpas da falta de dinheiro nos clubes, ao abrigo da desculpa que por haver poucos treinadores de 3º nível em determinadas zonas do País e que por isso os clubes teriam de gastar muito mais dinheiro contratando técnicos que teriam de se deslocar ou fixarem-se para fora das zonas de residência, a decisão foi sendo adiada de ano para ano tendo então sido decidido pelo órgão que rege o hóquei em patins de que a data de implementação seria a época de 2009/2010, o que nos parece correcto, até porque neste momento e recorrendo ao sítio da FPP concluímos que já existem se não nos enganámos a contar, 74 treinadores com o 3º nível, o que diga-se de passagem é extraordinário, pois se uma boa parte destes técnicos exercer na prática, garante-nos sem dúvida uma qualidade ao nível da gestão das equipas que só pode beneficiar a modalidade sem margem para duvidas.

Estamos portanto perante um processo de validação de técnicos e da sua formação, que teve uma adesão magnífica por parte dos treinadores da nossa praça, inclusivamente os mais credenciados e experientes não hesitaram em fazer essa formação e obter o nível 3, não só porque é obrigatório, a própria lei de bases do desporto exige isso mesmo, mas porque na sua larga maioria acharam que o saber não ocupa espaço e que acrescentar ou aprender mais para alem daquilo que cada um já possui é factor de evolução que nunca deve ser posto de parte, aliás são elucidativas as palavras de alguns craques do mundo do futebol, alguns deles já com provas dadas enquanto treinadores, que ao referirem-se à formação disseram o seguinte a vários órgãos de informação:

Já com experiência de banco, ex-internacionais investem na formação

Jorge Costa, Rui Jorge e Lito Vidigal são antigos jogadores internacionais que, depois de orientarem equipas da Liga Sagres, estão a frequentar o curso de treinadores, em Rio Maior.

Além da experiência recente, ao comando do Belenenses nas últimas duas jornadas da Liga portuguesa, aos 36 anos, Rui Jorge conta também com a experiência acumulada ao longo de 14 anos nos relvados, sob o comando de técnicos como Carlos Alberto Silva, Artur Jorge, Tomislav Ivic, Bobby Robson, Laszlo Boloni, Fernando Santos ou José Peseiro.

“É natural que algumas coisas se repitam e que falemos nalgumas situações, porventura, mais do que vividas e experienciadas por nós. Mas, há sempre alguma coisa que nós nunca abordamos da mesma forma. Se calhar, aqui, temos outra perspectiva de ver as coisas e, nem que seja por uma pequena coisa, vale a pena”, disse o antigo defesa esquerdo de FC Porto, Sporting e Belenenses.

Dois anos depois de ter “tirado” o curso (terceiro nível), Rui Jorge pretende “concluir o ciclo de formação para estar apto a tudo”, reconhecendo “mais-valias” na formação.

“Tudo o que seja informação é bem-vindo, partindo do princípio que este curso nos traz mais alguma informação é evidente que é bom”, sublinhou.

Também para o ex-internacional angolano e actual treinador do Portimonense, Lito Vidigal, a experiência profissional é insuficiente e a formação específica deve ser vista como um desafio constante.

“Não, não é suficiente. A formação é contínua, nem com o quarto nível podemos parar, porque o processo é evolutivo. O futebol, a sociedade e as mentalidades são evolutivos e nós temos de estar um passo à frente, senão temos muitas possibilidades de nos tornarmos obsoletos. Se não praticarmos todos os dias, se nós não tentarmos melhorar todos os dias as nossas capacidades ficamos para trás”, referiu o ex-jogador de Santa Clara, Belenenses e Campomaiorense.

Entre os formandos deste curso, está Jorge Costa, que comandou a Olhanense no regresso à Liga principal e está impossibilitado de prestar declarações, por castigo da Comissão Disciplinar da Liga de Clubes, até 14 de Julho.

“É um acrescento pessoal, é também a necessidade de ter o canudo para poder treinar grandes equipas”, destacou o ex-adjunto de José Mourinho no FC Porto e nos ingleses do Chelsea, classificando como “muito importante” a preocupação dos treinadores portugueses com a formação.

O quarto nível de formação de treinadores, é obrigatório para técnicos que comandem equipas na Primeira Liga e também para orientar clubes em países europeus.

Nesse sentido, para “facilitar” a frequência a treinadores no activo, a FPF promove estes cursos em regime de internato, no final das temporadas.

“A eventual realização do curso ao longo do tempo, que já foi ensaiado no terceiro nível há uns anos atrás, criou alguns problemas operacionais para os próprios treinadores. Porque, por exemplo, se as segundas-feiras eram normalmente dias ‘mortos’ para quem estava na Primeira Liga ou na Liga de Honra, hoje há muitos jogos nestes dias”, justificou Arnaldo Cunha, reconhecendo o “esforço grande” para “beneficiar” desta formação, “após uma época desgastante”.

Mestres aprendem para chegar a “mister”

Com o grau de Mestre, os adjuntos José Guilherme, da selecção portuguesa de futebol, e Rui Almeida, ex-Trofense, frequentam actualmente o curso de treinadores UEFA Pro, obrigatório para orientar equipas da Liga Sagres.

Para o adjunto de Carlos Queiroz, na equipa das “quinas”, a “aptidão académica”, obtida com a Licenciatura e o Mestrado em Futebol, pela Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, permitiu-lhe “abrir perspectivas e horizontes, alargando-os” sem os encerrar.

“Eu não acredito em grande conhecimento académico sem ter experiência prática, nem acredito em grandes treinadores sem terem conhecimento teórico que suporte o que fazem todos os dias. O intercâmbio entre os dois é que é extremamente importante para se atingir um patamar de qualidade evoluído, enquanto treinador”, disse José Guilherme, destacando o “conhecimento adquirido, durante a formação técnica, que surge dos problemas da prática, das experiências de vida e de anos e anos de treino”.

Para o adjunto da selecção lusa, este curso de quarto nível serve de “complemento à formação académica”, sobretudo partilhando e conhecendo experiências com os formadores e outros formandos.

“A principal diferença é que este é muito mais um momento de aprendizagem por troca de ideias, de experiências, do que propriamente de aquisição de novos conhecimentos. Já os outros níveis anteriores tiveram essa função, agora é um patamar mais evoluído, de mais reflexão”, explicou.

Também Rui Almeida, que obteve o grau de Mestre em Treino Desportivo para Crianças e Jovens, pela Faculdade de Motricidade Humana, da Universidade Técnica de Lisboa, classifica este curso de “pertinente” e “de alto nível”.

“Naturalmente que todos nós estamos cá porque necessitamos do quarto nível para podermos estar ao mais alto nível, nomeadamente na Liga Sagres e no estrangeiro”, frisou o ex-adjunto de Trofense e Estoril-Praia, que frequenta o curso juntamente com o seu “chefe de equipa” Tulipa.

Tendo tirado o primeiro curso de treinador antes da Licenciatura, Rui Almeida considera que este tipo de formação de “elite” tem “um valor acrescentado” relativamente ao adquirido ao nível académico.

“Penso que continuam a não conseguir transmitir os conteúdos, a experiência e a vivência que é importantíssima em qualquer carreira. Não só no futebol, mas em qualquer modalidade desportiva”, referiu o técnico, destacando, como mais-valia, a “troca de experiências com formadores com bastante vivência ao mais alto nível na modalidade”.

O quarto nível de formação de treinadores, denominado de UEFA Pro, é obrigatório para técnicos que comandem equipas na Primeira Liga e também para orientar clubes em países europeus.

Seguindo as prerrogativas da UEFA, que “tem vindo a condicionar a formação de treinadores”, segundo o coordenador técnico da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Arnaldo Cunha: “A UEFA, neste momento, impõe esta formação, só reconhece esta formação e não qualquer outra”.

“Evidentemente, nós sabemos que o conhecimento não é estanque. Não é só aqui que se adquire conhecimento. O conhecimento é mais vasto e pode ter-se acesso a ele de outros modos. Estes cursos visam normalizar a formação que é dada em todo o país e visam, obviamente, assegurar-nos de que o nível comum de conhecimento é transversal a todos os treinadores portugueses”, explicou Arnaldo Cunha.

Os “licenciados em Educação Física e Desporto” e os jogadores com 15 ou mais internacionalizações AA têm equivalência ao primeiro nível da formação de treinadores, frisou o coordenador da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Arnaldo Cunha.

Para chegar às Ligas profissionais, os licenciados ou ex-jogadores têm de obter aproveitamento nas restantes formações, no caso do terceiro e quarto nível em regime de internato.

Curiosas e significativas as reacções destas pessoas em relação à formação de treinadores, aliás tem tudo a ver com as primeiras reacções dos experts do costume que tentaram por todas as vias boicotar, brincar, ridicularizar e sabe-se lá mais o quê, com algo tão vital para qualquer modalidade e para qualquer área da nossa vida como é a formação, claro que haverá gente bem formada e com experiencia, mas essas pessoas serão á partida aquelas que mais facilidade terão na altura da formação, haverá sempre e também a partilha de experiências, sabendo-se que no hóquei em patins como em qualquer outra modalidade a formação vai muito para além do hóquei e das variantes táctico/técnicas.

É portanto chegada a hora do hóquei em patins a exemplo de todas as outras modalidades, agarrar o momento em que a competência e a formação vão ter de andar de mãos dadas, é de saudar a entrada neste novo regime e nós escrevemos este artigo querendo também parabenizar a Federação de Patinagem de Portugal, por ter aberto caminho, junto com a sua direcção técnica a algo fundamental e vital para o futuro e qualidade do hóquei em patins praticado. Até porque muitas lutas já foram travadas em prol dessa mesma exigência do nível na 1ª divisão, quem ainda não se lembra do celebre caso do treinador da Juventude Ouriense, que deu origem a protestos e a castigos federativos, tudo em prol da exigência de que todas as equipas deveriam ter o treinador com o nível exigido e não alguém fictício, havendo é certo algum exagero, pois também na mesma altura no futebol o Paulo Bento dava os 1ºs passos como treinador do Sporting e tinha de ter sentado a seu lado como ainda hoje mantém, Carlos Pereira, aquele que efectivamente tinha o nível exigido e que era inscrito como tal no boletim de cada jogo, portanto se a FPP não for tão rígida como foi em relação ao Ouriense, é natural e é isso que consideramos natural, que venhamos a ver um treinador de nível 3 sentado ao lado de José Querido na Juventude de Viana, como alguém sentado ao lado de Carlos Dantas, se este vier a ser treinador na 1ª Divisão, ou ao lado de Victor Fortunato na Física de Torres Vedras, enquanto este não tiver o nível 3 também, é a única solução para estes clubes que optaram por fazer assim, escolhendo estes, há cerca de 75 treinadores com 3º nível, mas são estas as escolhas destes clubes, logo é natural que assumam as despesas dessa decisão, outra coisa não se espera, porque outra coisa seria inacreditável e inaceitável, seria andar 20 anos para trás, entrar-se em regime de excepções, algo que já acabou e ainda bem, pois durante muitos anos o hóquei foi vitima dessas excepções, quando se atribuíam carteiras de treinadores por serviços prestados, mesmo que fossem serviços prestados em áreas administrativas, existe uma percentagem inacreditável de pessoas que têm carteira de treinador de hóquei em patins e nunca foi treinador na vida, antigamente cometiam-se barbaridades que ainda bem que esta federação colocou um final nisso, até porque abrir excepções não só se andava para trás como se perdia completamente o respeito por todos os treinadores portugueses que fazem e fizeram formação para obter os níveis exigidos, para além daqueles que já solicitaram essa excepção e que a FPP negou e muito bem, já não falando na violação do espírito da lei que foi criada e que dá prioridade á formação, também não acreditamos que alguém com a estatura moral e integridade de um José Querido, de um Carlos Dantas ou de um Victor Fortunato, quisessem de alguma forma tirar benefícios de situações que os colocassem em vantagem perante os seus colegas de profissão, colegas esses que se sacrificaram, sacrificaram os seus clubes, as suas famílias, para alem de outras coisas, para poderem hoje ter o nível 3 de treinador de hóquei em patins, nomeadamente e basta ver no sítio da FPP, pessoas como: Franklim Pais, Tó Neves, João Lapo, Fernando Falé, Fernando Almeida, Paulo Garrido, Victor Silva, José Fernandes, Paulo Freitas, Pedro Mendes, Luís Sénica, Paulo Pereira, Pedro Nunes, Carlos Pires, Paulo Batista, Domingos Guimarães, Rafael Oliveira, Helder Pinho, Rui Neto, Paulo Lopes, Nuno Lopes, Jorge Lopes, Armando Sousa, Pedro Trindade, José Carlos Califórnia, etc, falamos destes sem menosprezar ninguém num universo de 75 treinadores que veriam o seu esforço e a sua postura perante os regulamentos ser escamoteada e torpedeada, por algo que nesta altura do século seria completamente descabido e inaceitável.

Portanto estão de parabéns todos os treinadores que podem ver hoje o seu esforço compensado pelo que dedicaram á aquisição de conhecimentos e formação, para que possam ser treinadores melhor preparados, para enfrentar os novos e grandes desafios que se aproximam, pois o nível intelectual, físico e a todos os níveis , por parte dos atletas é cada vez maior, o jogo cada vez exige mais engenho e planificação, o projecto cada vez tem de ser mais sério, as áreas a abranger por um treinador são cada vez mais e maiores e por isso a formação é aspecto vital e se para estar entre os melhores é preciso ser-se avaliado na sua formação, então que seja, pois o hóquei em patins e o desporto em geral, agradecem.

E.S.O.





PORTUGAL,PORTUGAL E MAIS PORTUGAL!

9 09 2008

PORTUGAL ENTROU COM O PATIM DIREITO NO 27º CAMPEONATO DA EUROPA DE JUVENIS,ESTE DISPUTADO EM BASSANO!!

Excelente vitória dos nossos “Tugazinhos´´´frente á Suiça,uma vitória por 4-1 em que antes dos primeiros 15 minutos, Portugal ja vencia por 2-0, golos marcados por João Souto e Pedro Vaz,os Suiços ainda viram o guardião portugues João Coelho a defender uma grande penalidade,poucos minutos depois foi a vez de João Silva meter o 3º golo e assim ficou até ao intervalo.Na Segunda parte Penaltie para Portugal e Telmo Pinto não desperdiçou a opurtunidade e marcou o 4º golo portugues,a suiça ainda consegui o seu golo mas de forma ilegal visto que Wuffi marcou com o patim.Não deixa de ser uma boa vitória para os nossos Portugueses mas notou-se algum nervosismo por parte de alguns atletas.Portugal vai jogar na Quarta-Feira frente à França.Lembramos que Portugal está inserido no grupo B juntamente com a Suiça,França e Inglaterra.

No grupo A jogaram a selecção da casa a Itália frente à Holanda e que a equipa visitada ganhou folgadamente por 12-1 ao intervalo já vencia por 9 bolas a 0.

O outro jogo foi entre Alemanha e Andorra e que a selecção Alemã venceu por 6-0,ao intervalo já vencia por 3-0.

As classificaões ficam da seguinte maneira:

Grupo A:

  1. Itália 1 jogo 3 pontos
  2. Alemanha 1 jogo 3 pontos
  3. Espanha 0 jogos 0 pontos
  4. Andorra 1 jogo 0 pontos
  5. Holanda 1 jogo 0 pontos

Grupo B:

  1. Portugal 1 jogo 3 pontos
  2. França 0 jogos 0 pontos
  3. Inglaterra 0 jogos 0 pontos
  4. Suiça 1 jogo 0 pontos

P.S – As classificações são organizadas pelo golo average.





TAÇA DE PORTUGAL – ALENQUER ELIMINA JUVENTUDE DE VIANA

26 04 2008

UM GRANDE ESPECTÁCULO DE HÓQUEI EM PATINS FOI O BRINDE AO PÚBLICO NA VITÓRIA DO SPORT ALENQUER E BENFICA, POR 7-3 SOBRE A J. VIANA.

Sem dúvida nenhuma que para alem da surpresa da vitória do Alenquer sobre o super favorito J. Viana, foi a forma como essa vitória foi construída. A equipa da casa entrou no jogo com um ritmo alucinante, criando várias situações de golo, desbaratando por completo a equipa Minhota e por isso não surpreendeu que o Alenquer inaugurasse o marcador, pois as oportunidades eram umas atrás das outras, chegou mesmo ao 4-0, com golos de Tiago Roquete, Miguel Dantas(2) e Daniel Guedelha perante a impotência da equipa de Viana do Castelo. Nesta altura a juventude Viana reagiu e reduziu para 4-1, resultado com que se chegou ao intervalo. Na 2ª parte os minhotos ainda fizeram o 2º golo, mas aí o Alenquer voltou a pegar no jogo e voltou a dar uma ideia de força e de querer, construindo a partir daí um resultado que estava longe de passar pela cabeça da maioria das pessoas, chegando a 6-2, o viana ainda reduziu para 6-3, mas Bruno Monteiro autor dos 3 golos alenquerenses na 2ª parte, voltou a marcar fazendo o resultado final de 7-3.

Destaque para a grande exibição e para o belo espectáculo de hóquei proporcionado pelas duas equipas, em especial o Alenquer, onde toda a equipa desde o seu guarda redes a todos os restantes jogadores estiveram muito seguros, destacando-se ainda a utilização do jovem juvenil alenquerense André Garção.

Na Juventude Viana, o facto de não ter jogado o Didi e o luis Filipe, jamais pode servir de desculpa, pois o plantel deste clube é riquíssimo em jogadores de grande qualidade, como são Ricardo Silva, Paulo Almeida, Tiago Barbosa(sapo), João Banza, Gonçalo Suissas e Pedro Neto, já que Rodrigo Sousa hoje em dia quase nem joga, portanto uma equipa muito superior à grande maioria das equipas do hóquei português e mundial, mas que foi derrotada em Alenquer por uma equipa que lhes foi superior em todos os aspectos do jogo.

Sobre a arbitragem, o mesmo de sempre, critérios diferentes para lances iguais, uso excessivo dos cartões em situações que não o justificavam, até porque o jogo foi muito correcto e disputado lealmente pelos jogadores em campo. Mais esclarecido o lisboeta Paulo Baião e por isso mais seguro, logo exibição positiva, já o madeirense Jorge Lucas, está muito longe dos padrões de exigência para um arbitro de 1ª divisão, decisões completamente fora do contexto, técnica e disciplinarmente muito mal, tentando depois impor-se através da arrogância e ameaças aos atletas, atitudes que o hóquei em patins dispensa e devia banir. Não há necessidade de árbitros desta qualidade tão duvidosa.

Entretanto hoje são realizados os restantes jogos referentes aos 1/8 de final, com destaque para a visita do Benfica a Porto Santo, o Porto a Valongo e a Oliveirense a Cascais, o Barcelos recebe a Académica de Espinho e o H Cambra desloca-se a Tomar, jogos de grande interesse onde pode haver Taça pela surpresa que possa haver nalgum destes pavilhões.

Taça Portugal Masculinos 1/8 FINAL

  • 18:00 Cascais 2 »« 3 Oliveirense (golo de ouro)
  • 18:30 Valongo 2 »« 3 Porto
  • 18:00 Tomar 4 »« 3 Cambra (grandes penalidades)
  • 18:30 Feira 1 »« 4 Braga
  • 21:00 Oquei Barcelos 5 »« 4 Espinho
  • 21:00 Portosantense 0 »« 1 Benfica
  • 18:00 Sagres 4 »« 3 Física

  • JOGOS PARA OS 1/4 DE FINAL A DISPUTAR DIA 3 DE MAIO

OC Barcelos

UD Oliveirense

SC Tomar S Alenquer e Benfica
HC Braga SL Benfica
C Infante Sagres FC Porto




HOQUEI FEMININO – CAMPEONATO NACIONAL

11 12 2007

logo-okfeminino4.gif

fpplogo3.jpg

NO DUELO DA CIDADE DA MAIA A FUNDAÇÃO LEVOU A MELHOR SOBRE O CD NORTECOOPE.

Era sem duvida o jogo mais aguardado da 8ª jornada, CD Nortecoope – F. Nortecoope, que terminou com a vitória da fundação por 3-7, fortalecendo assim a liderança na classificação geral até porque ainda beneficiou da derrota do Carvalhos em casa perante o HC Marco por 0-2, o que se veio a tornar a grande surpresa da jornada.

Mas claudia-rego.jpgna Maia, o grande jogo da jornada teve uma história de domínio por parte da Fundação, que nunca deu qualquer hipótese de esperança á equipa adversária, não só pelo domínio exercido mas também porque na Fundação, há uma mulher em grande forma, uma verdadeira matadora que dá pelo nome de Cláudia Rêgo, uma verdadeira canibal, uma mulher que se alimenta de golos e ela joga e faz jogar, marca golos, dá a marcar, já não falando na posição de sacrifício que ocupa em jogo, pois é ela quem parte as defesas é ela quem abre os espaços e por isso também não admira que seja sempre muito massacrada com faltas, é uma posição de grande desgaste, mas também provoca um desgaste enorme nas defesas contrarias e a Fundação tira muito bem partido disso, pois por aí aparecem uma Patrícia Albuquerque e uma Vânia Ribeiro, que normalmente acabam de partir o que a Cláudia”canibal”Rêgo não parte, até porque são elas também jogadoras de grande categoria, com a Vânia a perfumar o jogo com laivos de verdadeira magia e capacidade técnica, construindo lances só ao alcance dos pré destinados, mas seria injusto, não destacar o colectivo da fundação, que está mais forte que nunca, achamos mesmo que como nunca esteve, e vê-se na alegria de jogar, na forma como trabalham arduamente para conseguir ganhar as vantagens, mas ao mesmo tempo mantendo uma tranquilidade e solidez defensiva para a qual muito contribuem, Sandra Fernandes e Raquel Azevedo, é com toda a justiça e belas exibições que a fundação lidera o campeonato feminino na zona norte e ganhando assim um tremendo favoritismo para o deste ano tirando para já qualquer dúvida sobre quem é a melhor equipa.

Quanto ao CD Nortecoope, foi uma equipa desligada, que deu sempre luta, nunca desistiu, mas assentando sobretudo o seu jogo no valor individual das suas atletas e com isso vão conseguindo facturar.

Nos restahc-mealhada.gifntes jogos, destaque para a vitória do HC Mealhada sobre o sempre difícil CA Feira, da excitante Lara Pinheiro e Ana Emílio, vitória esta que deu para igualar na classificação, portanto em 2º, a equipa do Carvalhos, embora a equipa de Hélder Antunes tenha a vantagem de ter ganho na Mealhada. Quanto ao Carvalhos e dando-nos razão ao que vinha-mos dizendo à semanas atrás, era de ver que mais tarde ou mais cedo os resultados caíam pela base, porque é extremamente inibidor, limitador e contra qualquer tipo de evolução, o tipo de jogo que a equipa de Hélder Antunes vinha a praticar, porque tudo tem o seu limite, pois uma coisa é preparar uma equipa para que jogue à zona e muitas vezes num quadradinho, muito, muito fechadinho, para uma necessidade ou uma mudança de estratégia, outra coisa é jogar assim por sistema e era de esperar que isto acontecesse pois a realidade é que o Carvalhos por força desta limitação de ordem táctica, não sabe atacar, só sabe contra atacar e isto de alguma forma justifica os maus resultados com equipas teoricamente mais fracas, tem então o Professor Hélder Antunes, problemas para resolver e pensar que numa perspectiva de evolução, qualquer táctica demasiadamente defensiva e que obrigue uma equipa a viver só disso, será sempre penalizadora no futuro. quanto aos outros jogos tiveram os desfechos esperados, destacando-se a goleada do Arazede que está tambem a atravessar um bom momento.

Lembremos então os resultados e a classificação actual na zona norte, já que na zona sul não houve jogos este fim de semana, devido à realização do inter regiões feminino de sub 18, que contou com muitas atletas que jogam nas equipas da zona sul, o que diz muito, sobre o nacional feminino.

 C. N. FEMININO NORTE • 1ª Volta 
 
 
data hora visitado Resultado visitante
Dec 09 18:00 Mealhada 3 1 Feira
Dec 08 18:30 Fânzeres 3 6 Alfena
Dec 02 20:30 Carvalhos 0 2 Marco
Dec 08 18:00 CD Nortecoope 3 7 Fund. Nortecoope
Dec 02 15:30 Arazede 10 1 Vila B. Bispo

Pos.

Clube

J

V

E

D

GM

GS

P

F Nortecoope

8

8

0

0

69

6

24

CH Carvalhos
8 5 1 2 19 15 16

HC Mealhada
8 5 1 2 26 13 16

CD Nortecoope

8

5

0

3

39

13

15

HC Marco

8

5

0

3

16

14

15

AF Arazede

8

4

1

3

37

19

13

CSP Alfena

8

3

1

4

19

30

10

CA Feira

8

1

0

7

13

28

3

GDC Fanzeres

8

1

0

7

11

56

3

10º

ACD Vila B Bispo

8

1

0

7

6

61

3





CAMPEONATOS NACIONAIS E 1º INTER REGIÕES FEMININO

7 12 2007

fpplogo.jpg

O HÓQUEI EM PATINS ESTÁ BEM VIVO, EMBORA OS COVEIROS SEJAM MUITOS, ESTE FIM DE SEMANA Á JOGOS PARA TODOS OS GOSTOS, SENDO QUE OS DESTACADOS SÃO OS QUE CONSIDERAMOS OS MAIS IMPORTANTES.

1ª DIVISÃO – 14º JORNADA:

08-12-2007

20:00

HC Braga 0

Candelária SC 3

 

08-12-2007

18:00

UD Oliveirense 3

SL Benfica 3

 

08-12-2007

18:00

ACR Gulpilhares 2

Porto Santo SAD 2

 

08-12-2007

18:00

Juv. Ouriense 2

AD Valongo 1

 

08-12-2007

18:30

AA Espinho 1

Hóquei Cambra 3

 

08-12-2007

21:00

Alenquer 2

OC Barcelos 2

 

08-12-2007

21:30

Juventude Viana 3

FC Porto 3

2ª DIVISÃO NORTE – 8ª JORNADA

         




   

08-12-2007

18:30

HC Marco 2

Riba D’Ave HC 3

 

08-12-2007

21:00

Famalicense AC 5

AD Sanjoanense 1

 

08-12-2007

21:00

CD Nortecoope 5

SC Marinhense 3

 

08-12-2007

18:30

CH Carvalhos 9

FC Bom Sucesso 7

 

08-12-2007

18:00

AD “Os Limianos” 2

SC Tomar 3

 

09-12-2007

18:00

ADR Pasteleira 6

HC Turquel 6

2ª DIVISÃO SUL – 8ª JORNADA

8-12-2007

18:00

GD Vialonga 1

CD Paço de Arcos 2

 

08-12-2007

19:00

CD Boliqueime 4

“Os Lobinhos” 0

 

09-12-2007

18:00

CD Santa Clara 7

Entroncamento 1

 

08-12-2007

19:00

UD Nafarros 1

AE Física D 1

 

08-12-2007

17:00

GDS Cascais 2

CS Marítimo 2

 

08-12-2007

18:00

AD Oeiras 6

GD Sesimbra 2

 

08-12-2007

18:00

HC Sintra 3

Parede FC 3

 

08-12-2007

18:00

Vasco Gama AC 2

Campo Ourique 0

3ª DIVISÃO – ZONA A – 8ª

08-12-2007

21:00

VSC Barcelinhos 6

CF Perosinho 4

 

08-12-2007

21:00

CP Sobreira 4

CD Póvoa 3

 

08-12-2007

21:00

Seixas HC 5

CAR Taipense 3

 

08-12-2007

18:00

CCD Ordem 1

GDC Fânzeres 5

 

08-12-2007

21:30

Ola Mouriz 3

Fund Nortecoope 3

ZONA B – 8ª

08-12-2007

19:45

Gualdim Pais 5

SCL Marrazes 4

 

08-12-2007

18:00

AA Coimbra 5

Oliv Hospital 3

 

08-12-2007

18:00

HC Mealhada 3

Escola Livre 4

 

08-12-2007

18:00

CD Pampilhosa 4

Pess Vouga 5

 

08-12-2007

19:00

AF Arazede

CD Cucujães

ZONA C – 8ª

08-12-2007

18:00

Santa Cita 4

HC Tigres 3

 

08-12-2007

21:00

U Micaelense 3

C Stella Maris 0

 

08-12-2007

18:30

GD Estreito 0

Biblioteca IR 4

 

08-12-2007

16:00

CN Rio Maior 2

São Roque 8

 

08-12-2007

18:00

Vilafranquense 7

“Os Corujas” 3

ZONA D – 8ª

08-12-2007

21:00

CP Beja 5

CR Grandolense 5

 

08-12-2007

18:00

Santiago Cacém 2

Juv Azeitonense 3

 

08-12-2007

18:00

AA Amadora 17

FC Castrense 2

 

08-12-2007

18:00

CF Estremoz 8

HC Portimão 1

 

08-12-2007

18:00

Seixal FC 2

Liga de Algés 2

logo-okfeminino1.gif

NACIONAL FEMININO ZONA NORTE – 8ª

09-12-2007

18:00

HC Mealhada 3

CA Feira 1

 

08-12-2007

18:30

GDC Fânzeres 3

CSP Alfena 6

 

08-12-2007

20:30

CH Carvalhos 0

HC Marco 2

 

08-12-2007

18:00

CD Nortecoope 3

Fund Nortecoope 7

 

08-12-2007

15:30

AF Arazede 10

Vila Boa Bispo 1

ZONA SUL – 8ª

NÃO SE DISPUTA ESTA JORNADA DEVIDO AO FACTO DE MUITAS DAS ATLETAS PRESENTES NO INTER REGIÕES FEMININO SUB 18, FAZEREM PARTE DAS EQUIPAS SÉNIORES QUE DISPUTAM ESTE CAMPEONATO, POR ESSE MOTIVO E MUITO BEM A JORNADA FOI ADIADA.        
         
         
         
       

1º INTER REGIÕES FEMININO SUB 18
6ªfeira – 7 de Dezembro
19hAveiro 51 Alentejo
20h Lisboa 42 Algarve

Sábado – 8 de Dezembro
10h30Alentejo 02 Lisboa
11h30 Algarve 42 Coimbra
18h30 Coimbra 15 Alentejo
19h30Lisboa 01 Aveiro

Domingo – 9 de Dezembro
10h
Alentejo 1 – Algarve 2
11h Aveiro 6 – Coimbra 2
16hAlgarve 3 – Aveiro 1
17hCoimbra 1 – Lisboa 7
18hDesfile e entrega de prémios

CLASSIFICAÇÃO FINAL:

  1. ASSOCIAÇÃO DE PATINAGEM DE LISBOA – 9 PONTOS
  2. ASSOCIAÇÃO PATINAGEM DO ALGARVE – 9 PONTOS
  3. ASSOCIAÇÃO PATINAGEM DE AVEIRO – 9 PONTOS
  4. ASSOCIAÇÃO PATINAGEM ALENTEJO – 3 PONTOS
  5. ASSOCIAÇÃO PATINAGEM COIMBRA – 0 PONTOS




EM PORTUGAL MANDA O PORTO – BENFICA A DESILUSÃO

6 12 2007

fpplogo_n.jpg

NO FINAL DA 1ª VOLTA DO NACIONAL DA 1ª DIVISÃO, FC PORTO LIDÉRA A SEU BELO PRAZER, JUVENTUDE DE VIANA JÁ É 2º.

logo_fcp.gifJogou-se ontem à noite a 13ª jornada do campeonato Nacional da 1ª divisão, coincidindo com o fim da 1ª volta, o FC Porto visitou Ourem e com maior ou menor dificuldade acabou por vencer a Juventude local, já o Óquei de Barcelos viajou até Oliveira de Azeméis e arrancou mais um resultado positivo, desta vez um empate depois da vitória estrondosa sobre o Benfica, no fim de semana passado, importante a vitória por 2-1 da Juventude de Viana sobre o Espinho, embora surpreenda a escassez do resultado, mas o que estava em causa eram 3 pontos e com isso a equipa de Viana do Castelo efectivou a recuperação mais espectacular deste campeonato, pois todos nos lembramos do mau inicio de prova que fez a Juventude de Viana, salientamos ainda empate precioso do Alenquer com o Porto Santo, conferindo à equipa Alenquerense dois empates seguídos com as equipas das ilhas, Alenquer que vem sem duvida a beneficiar do trabalho feito por Hugo Gaidão e Bruno Gouxa, sendo que Gaidão vai rumar a Cascais como adiantámos em primeira mão, ficando Bruno Gouxa a comandar a equipa, importante também e até surpreendente pelos números, a vitória do Gulpilhares de Fernando Almeida, equipa que vem fazendo resultados interessantíssimos, o Benfica depois de no fim de semana ter sido copiosamente derrotado pelo Barcelos, vindo a dar-nos razão quando dizíamos à umas semanas atrás que tudo o que aconteceu não era mais do que uma operação de cosmética, porque continuamos a achar que o Benfica têm obrigação de muito mais e este ano devia ser o ano em que as distâncias tinham de diminuir, a realidade é que evolução desde a entrada de Carlos Dantas não se vê nenhuma, pelo contrário o Porto está mais fraco na sua estrutura base, mas continua a comandar como quer. Tanto assim é que desta vez dando uma prova disso mesmo, desse valor que existe, o Benfica goleou uma equipa como ninguém ainda fez, o Cambra, que é só o vencedor em título da Taça de Portugal, mas vejamos os resultados da 13ª jornada disputada ontem 4ª feira e a classificação à viragem do campeonato:

1ª DIVISÃO FASE 1 • 1ª Volta
 
 
data hora visitado Resultado visitante
Dec 05 21:00 Juventude Viana 2 1 AA Espinho
Dec 05 21:00 Ouriense 5 7 FC Porto
Dec 05 21:00 HC Braga 2 1 Valongo
Dec 05 21:00 Gulpilhares 4 0 Candelária
Dec 05 21:00 Alenquer 3 3 Portosantense
Dec 05 21:00 Oliveirense 4 4 Barcelos
Dec 05 21:00 Benfica 7 2 Cambra

FC PORTO e PORTO SANTO têm só 12 jogos disputados.

CLASSIFICAÇÃO:

  • FC Porto 30
  • A Juv. Viana 25
  • SL Benfica 24
  • UD Oliveirense 24
  • OC Barcelos 23
  • ACR Gulpilhares 21
  • HC Braga 21
  • Porto Santo 20
  • AD Valongo 20
  • 10º Candelária SC 16
  • 11º HA Cambra 8
  • 12º A Acad. Espinho 8
  • 13º Alenquer e Benf. 7
  • 14º Juv. Ouriense 5

VER PAGINA 1ª DIVISÃO.