OS TREINADORES E O NOVO REGIME

22 06 2009

images

QUE VAMOS TER? REGRAS E ORGANIZAÇÃO? OU O REGRESSO AO COMPADRIO E ÁS EXCEPÇÕES?

Quando já tudo fervilha em relação à próxima época, quando a maioria dos clubes já se prepara para fechar plantéis, para que possam ir de férias com todas as decisões tomadas, quando os jogadores na sua maioria já estão escolhidos e os treinadores prontos a iniciar os seus novos planos ou a dar continuidade aos mesmos, eis que nos deparamos com uma série de alterações, nomeadamente as novas regras, assim como o novo regime para os treinadores, é que também a partir da próxima época entram em vigor os regulamentos que determinam que para treinar equipas na divisão principal (a 1ª Divisão Nacional), os treinadores tem de possuir o nível 3 de formação. Até aqui tudo bem, tudo correcto e convenhamos que esta medida já peca por tardia, mas ao abrigo das desculpas da falta de dinheiro nos clubes, ao abrigo da desculpa que por haver poucos treinadores de 3º nível em determinadas zonas do País e que por isso os clubes teriam de gastar muito mais dinheiro contratando técnicos que teriam de se deslocar ou fixarem-se para fora das zonas de residência, a decisão foi sendo adiada de ano para ano tendo então sido decidido pelo órgão que rege o hóquei em patins de que a data de implementação seria a época de 2009/2010, o que nos parece correcto, até porque neste momento e recorrendo ao sítio da FPP concluímos que já existem se não nos enganámos a contar, 74 treinadores com o 3º nível, o que diga-se de passagem é extraordinário, pois se uma boa parte destes técnicos exercer na prática, garante-nos sem dúvida uma qualidade ao nível da gestão das equipas que só pode beneficiar a modalidade sem margem para duvidas.

Estamos portanto perante um processo de validação de técnicos e da sua formação, que teve uma adesão magnífica por parte dos treinadores da nossa praça, inclusivamente os mais credenciados e experientes não hesitaram em fazer essa formação e obter o nível 3, não só porque é obrigatório, a própria lei de bases do desporto exige isso mesmo, mas porque na sua larga maioria acharam que o saber não ocupa espaço e que acrescentar ou aprender mais para alem daquilo que cada um já possui é factor de evolução que nunca deve ser posto de parte, aliás são elucidativas as palavras de alguns craques do mundo do futebol, alguns deles já com provas dadas enquanto treinadores, que ao referirem-se à formação disseram o seguinte a vários órgãos de informação:

Já com experiência de banco, ex-internacionais investem na formação

Jorge Costa, Rui Jorge e Lito Vidigal são antigos jogadores internacionais que, depois de orientarem equipas da Liga Sagres, estão a frequentar o curso de treinadores, em Rio Maior.

Além da experiência recente, ao comando do Belenenses nas últimas duas jornadas da Liga portuguesa, aos 36 anos, Rui Jorge conta também com a experiência acumulada ao longo de 14 anos nos relvados, sob o comando de técnicos como Carlos Alberto Silva, Artur Jorge, Tomislav Ivic, Bobby Robson, Laszlo Boloni, Fernando Santos ou José Peseiro.

“É natural que algumas coisas se repitam e que falemos nalgumas situações, porventura, mais do que vividas e experienciadas por nós. Mas, há sempre alguma coisa que nós nunca abordamos da mesma forma. Se calhar, aqui, temos outra perspectiva de ver as coisas e, nem que seja por uma pequena coisa, vale a pena”, disse o antigo defesa esquerdo de FC Porto, Sporting e Belenenses.

Dois anos depois de ter “tirado” o curso (terceiro nível), Rui Jorge pretende “concluir o ciclo de formação para estar apto a tudo”, reconhecendo “mais-valias” na formação.

“Tudo o que seja informação é bem-vindo, partindo do princípio que este curso nos traz mais alguma informação é evidente que é bom”, sublinhou.

Também para o ex-internacional angolano e actual treinador do Portimonense, Lito Vidigal, a experiência profissional é insuficiente e a formação específica deve ser vista como um desafio constante.

“Não, não é suficiente. A formação é contínua, nem com o quarto nível podemos parar, porque o processo é evolutivo. O futebol, a sociedade e as mentalidades são evolutivos e nós temos de estar um passo à frente, senão temos muitas possibilidades de nos tornarmos obsoletos. Se não praticarmos todos os dias, se nós não tentarmos melhorar todos os dias as nossas capacidades ficamos para trás”, referiu o ex-jogador de Santa Clara, Belenenses e Campomaiorense.

Entre os formandos deste curso, está Jorge Costa, que comandou a Olhanense no regresso à Liga principal e está impossibilitado de prestar declarações, por castigo da Comissão Disciplinar da Liga de Clubes, até 14 de Julho.

“É um acrescento pessoal, é também a necessidade de ter o canudo para poder treinar grandes equipas”, destacou o ex-adjunto de José Mourinho no FC Porto e nos ingleses do Chelsea, classificando como “muito importante” a preocupação dos treinadores portugueses com a formação.

O quarto nível de formação de treinadores, é obrigatório para técnicos que comandem equipas na Primeira Liga e também para orientar clubes em países europeus.

Nesse sentido, para “facilitar” a frequência a treinadores no activo, a FPF promove estes cursos em regime de internato, no final das temporadas.

“A eventual realização do curso ao longo do tempo, que já foi ensaiado no terceiro nível há uns anos atrás, criou alguns problemas operacionais para os próprios treinadores. Porque, por exemplo, se as segundas-feiras eram normalmente dias ‘mortos’ para quem estava na Primeira Liga ou na Liga de Honra, hoje há muitos jogos nestes dias”, justificou Arnaldo Cunha, reconhecendo o “esforço grande” para “beneficiar” desta formação, “após uma época desgastante”.

Mestres aprendem para chegar a “mister”

Com o grau de Mestre, os adjuntos José Guilherme, da selecção portuguesa de futebol, e Rui Almeida, ex-Trofense, frequentam actualmente o curso de treinadores UEFA Pro, obrigatório para orientar equipas da Liga Sagres.

Para o adjunto de Carlos Queiroz, na equipa das “quinas”, a “aptidão académica”, obtida com a Licenciatura e o Mestrado em Futebol, pela Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, permitiu-lhe “abrir perspectivas e horizontes, alargando-os” sem os encerrar.

“Eu não acredito em grande conhecimento académico sem ter experiência prática, nem acredito em grandes treinadores sem terem conhecimento teórico que suporte o que fazem todos os dias. O intercâmbio entre os dois é que é extremamente importante para se atingir um patamar de qualidade evoluído, enquanto treinador”, disse José Guilherme, destacando o “conhecimento adquirido, durante a formação técnica, que surge dos problemas da prática, das experiências de vida e de anos e anos de treino”.

Para o adjunto da selecção lusa, este curso de quarto nível serve de “complemento à formação académica”, sobretudo partilhando e conhecendo experiências com os formadores e outros formandos.

“A principal diferença é que este é muito mais um momento de aprendizagem por troca de ideias, de experiências, do que propriamente de aquisição de novos conhecimentos. Já os outros níveis anteriores tiveram essa função, agora é um patamar mais evoluído, de mais reflexão”, explicou.

Também Rui Almeida, que obteve o grau de Mestre em Treino Desportivo para Crianças e Jovens, pela Faculdade de Motricidade Humana, da Universidade Técnica de Lisboa, classifica este curso de “pertinente” e “de alto nível”.

“Naturalmente que todos nós estamos cá porque necessitamos do quarto nível para podermos estar ao mais alto nível, nomeadamente na Liga Sagres e no estrangeiro”, frisou o ex-adjunto de Trofense e Estoril-Praia, que frequenta o curso juntamente com o seu “chefe de equipa” Tulipa.

Tendo tirado o primeiro curso de treinador antes da Licenciatura, Rui Almeida considera que este tipo de formação de “elite” tem “um valor acrescentado” relativamente ao adquirido ao nível académico.

“Penso que continuam a não conseguir transmitir os conteúdos, a experiência e a vivência que é importantíssima em qualquer carreira. Não só no futebol, mas em qualquer modalidade desportiva”, referiu o técnico, destacando, como mais-valia, a “troca de experiências com formadores com bastante vivência ao mais alto nível na modalidade”.

O quarto nível de formação de treinadores, denominado de UEFA Pro, é obrigatório para técnicos que comandem equipas na Primeira Liga e também para orientar clubes em países europeus.

Seguindo as prerrogativas da UEFA, que “tem vindo a condicionar a formação de treinadores”, segundo o coordenador técnico da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Arnaldo Cunha: “A UEFA, neste momento, impõe esta formação, só reconhece esta formação e não qualquer outra”.

“Evidentemente, nós sabemos que o conhecimento não é estanque. Não é só aqui que se adquire conhecimento. O conhecimento é mais vasto e pode ter-se acesso a ele de outros modos. Estes cursos visam normalizar a formação que é dada em todo o país e visam, obviamente, assegurar-nos de que o nível comum de conhecimento é transversal a todos os treinadores portugueses”, explicou Arnaldo Cunha.

Os “licenciados em Educação Física e Desporto” e os jogadores com 15 ou mais internacionalizações AA têm equivalência ao primeiro nível da formação de treinadores, frisou o coordenador da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Arnaldo Cunha.

Para chegar às Ligas profissionais, os licenciados ou ex-jogadores têm de obter aproveitamento nas restantes formações, no caso do terceiro e quarto nível em regime de internato.

Curiosas e significativas as reacções destas pessoas em relação à formação de treinadores, aliás tem tudo a ver com as primeiras reacções dos experts do costume que tentaram por todas as vias boicotar, brincar, ridicularizar e sabe-se lá mais o quê, com algo tão vital para qualquer modalidade e para qualquer área da nossa vida como é a formação, claro que haverá gente bem formada e com experiencia, mas essas pessoas serão á partida aquelas que mais facilidade terão na altura da formação, haverá sempre e também a partilha de experiências, sabendo-se que no hóquei em patins como em qualquer outra modalidade a formação vai muito para além do hóquei e das variantes táctico/técnicas.

É portanto chegada a hora do hóquei em patins a exemplo de todas as outras modalidades, agarrar o momento em que a competência e a formação vão ter de andar de mãos dadas, é de saudar a entrada neste novo regime e nós escrevemos este artigo querendo também parabenizar a Federação de Patinagem de Portugal, por ter aberto caminho, junto com a sua direcção técnica a algo fundamental e vital para o futuro e qualidade do hóquei em patins praticado. Até porque muitas lutas já foram travadas em prol dessa mesma exigência do nível na 1ª divisão, quem ainda não se lembra do celebre caso do treinador da Juventude Ouriense, que deu origem a protestos e a castigos federativos, tudo em prol da exigência de que todas as equipas deveriam ter o treinador com o nível exigido e não alguém fictício, havendo é certo algum exagero, pois também na mesma altura no futebol o Paulo Bento dava os 1ºs passos como treinador do Sporting e tinha de ter sentado a seu lado como ainda hoje mantém, Carlos Pereira, aquele que efectivamente tinha o nível exigido e que era inscrito como tal no boletim de cada jogo, portanto se a FPP não for tão rígida como foi em relação ao Ouriense, é natural e é isso que consideramos natural, que venhamos a ver um treinador de nível 3 sentado ao lado de José Querido na Juventude de Viana, como alguém sentado ao lado de Carlos Dantas, se este vier a ser treinador na 1ª Divisão, ou ao lado de Victor Fortunato na Física de Torres Vedras, enquanto este não tiver o nível 3 também, é a única solução para estes clubes que optaram por fazer assim, escolhendo estes, há cerca de 75 treinadores com 3º nível, mas são estas as escolhas destes clubes, logo é natural que assumam as despesas dessa decisão, outra coisa não se espera, porque outra coisa seria inacreditável e inaceitável, seria andar 20 anos para trás, entrar-se em regime de excepções, algo que já acabou e ainda bem, pois durante muitos anos o hóquei foi vitima dessas excepções, quando se atribuíam carteiras de treinadores por serviços prestados, mesmo que fossem serviços prestados em áreas administrativas, existe uma percentagem inacreditável de pessoas que têm carteira de treinador de hóquei em patins e nunca foi treinador na vida, antigamente cometiam-se barbaridades que ainda bem que esta federação colocou um final nisso, até porque abrir excepções não só se andava para trás como se perdia completamente o respeito por todos os treinadores portugueses que fazem e fizeram formação para obter os níveis exigidos, para além daqueles que já solicitaram essa excepção e que a FPP negou e muito bem, já não falando na violação do espírito da lei que foi criada e que dá prioridade á formação, também não acreditamos que alguém com a estatura moral e integridade de um José Querido, de um Carlos Dantas ou de um Victor Fortunato, quisessem de alguma forma tirar benefícios de situações que os colocassem em vantagem perante os seus colegas de profissão, colegas esses que se sacrificaram, sacrificaram os seus clubes, as suas famílias, para alem de outras coisas, para poderem hoje ter o nível 3 de treinador de hóquei em patins, nomeadamente e basta ver no sítio da FPP, pessoas como: Franklim Pais, Tó Neves, João Lapo, Fernando Falé, Fernando Almeida, Paulo Garrido, Victor Silva, José Fernandes, Paulo Freitas, Pedro Mendes, Luís Sénica, Paulo Pereira, Pedro Nunes, Carlos Pires, Paulo Batista, Domingos Guimarães, Rafael Oliveira, Helder Pinho, Rui Neto, Paulo Lopes, Nuno Lopes, Jorge Lopes, Armando Sousa, Pedro Trindade, José Carlos Califórnia, etc, falamos destes sem menosprezar ninguém num universo de 75 treinadores que veriam o seu esforço e a sua postura perante os regulamentos ser escamoteada e torpedeada, por algo que nesta altura do século seria completamente descabido e inaceitável.

Portanto estão de parabéns todos os treinadores que podem ver hoje o seu esforço compensado pelo que dedicaram á aquisição de conhecimentos e formação, para que possam ser treinadores melhor preparados, para enfrentar os novos e grandes desafios que se aproximam, pois o nível intelectual, físico e a todos os níveis , por parte dos atletas é cada vez maior, o jogo cada vez exige mais engenho e planificação, o projecto cada vez tem de ser mais sério, as áreas a abranger por um treinador são cada vez mais e maiores e por isso a formação é aspecto vital e se para estar entre os melhores é preciso ser-se avaliado na sua formação, então que seja, pois o hóquei em patins e o desporto em geral, agradecem.

E.S.O.


Ações

Information




%d bloggers like this: